Nossa história

Mediante o patrocínio da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ – RIO II), um grupo de psicanalistas, constituídos pelos Drs. Sérgio Roberto Abuchaim, Paulo Luis Rosa Sousa e Alberto Abuchaim e o Dr. Bruno Salesio da Silva Francisco, provenientes os dois primeiros da Associação Psicanalítica Argentina (APA) e os dois últimos da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro-SBPRJ, foi fundado em 17 de maio de 1987, na cidade de Pelotas, o Núcleo Psicanalítico de Pelotas. Administrativamente era um ramo (branch) do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro-SBPRJ. A função de Coordenador Administrativo do Núcleo coube ao Dr. Aloysio Augusto D’Abreu e a de Coordenador Didático coube ao Dr. José Hamilton Gonçalves de Farias, ambos psicanalistas Didatas da SBPRJ. Após a seleção dos dez primeiros candidatos, realizada no Rio de Janeiro, começaram os seminários em Pelotas, ministrados por professores vindos da SBPRJ. As análises pessoais eram feitas com analistas residentes em Pelotas, com um analista residente em Porto Alegre e com o Dr. Bruno que começou a analisar pretendentes à Formação Psicanalítica, vindo a Pelotas às sextas-feiras e sábados, a partir do segundo semestre de 1987.

A idéia de formar uma instituição vinculada diretamente à International Psychoanalytical Association – IPA tornou-se possível quando o Dr. Bruno passou a residir em Pelotas a partir de janeiro de 1988, conforme exigência dos regulamentos da IPA.

Um Site Visiting Committee, constituído pela Chair Dra. Inga Villarreal, da Sociedade Psicanalítica da Colômbia, e pelo Dr. Isidoro Berenstein, da Associação Psicanalítica de Buenos Aires-APdeBA, visitou o Núcleo Psicanalítico em janeiro de 1988, para os levantamentos e avaliações regulamentares. Em agosto de 1988, no 35º Congresso Internacional de Montreal, o Núcleo Psicanalítico de Pelotas foi reconhecido como Grupo de Estudos Psicanalítico de Pelotas (GEPP), dentro das exigências da IPA, com o decisivo apoio do presidente Dr. Robert Wallerstein. O subseqüente Sponsoring Committee, designado pela IPA e formado pelo Chair Dr. Isidoro Berenstein, pelo Dr. Aiban Hagelin (da Associação Psicanalítica Argentina-APA) e pela Profª. Marta Nieto.

Grove (da Associação Psicanalítica Uruguaya-APU), convalidou, no início do ano seguinte, o trabalho realizado sob os auspícios da SBPRJ e confirmou a função didática dos quatro analistas fundadores.

No início de março de 1990, uma segunda turma de oito candidatos dava início à Formação Psicanalítica. Poucos dias depois faleceu o Dr. Sérgio Roberto Abuchaim, causando forte repercussão institucional. Um ano após, veio residir em Pelotas o Dr. José Luiz Meurer, da SBPRJ, que teve sua função didática reconhecida pelos membros do Sponsoring Committee, recompondo o grupo regulamentar de quatro analistas didatas da instituição.

Em janeiro de 1993, o primeiro candidato concluiu sua Formação Psicanalítica. Neste mesmo ano iniciou uma terceira turma, com três candidatos, à qual se juntaram mais dois candidatos, no ano seguinte. Em 1996 uma turma de quatro candidatos inicia sua formação. Em 2001 e em 2005 a quinta e a sexta turma iniciou os seminários teóricos da Formação Psicanalítica. Em agosto de 2011 teve inicio uma nova turma de candidatos.

Em 02 de agosto de 1995, no 39º Congresso Psicanalítico Internacional de São Francisco, fomos reconhecidos como Sociedade Psicanalítica de Pelotas (Provisória). O Liaison Committee era formado pelos Drs. Reggy Serebriany – Chair (APdeBA), Blanca Montevechio (APA) e Dr. Roberto Doria de Medina.

Um segundo Liaison Committee, designado em 2000, era formado pela Chair Profª. Matilde Ureta de Caplansky (da Sociedade Psicanalítica do Peru-SPP), Dra. Eva Ponce de León de Masvernat (APA) e Dr. David Nelson López Garza (da Associação Psicanalítica do México-APM).

Em 10 de março de 2004, no 43º Congresso Internacional de Psicanálise, realizado em New Orleans, fomos reconhecidos como Sociedade Componente da IPA.

Vivemos numa cidade relativamente pequena, onde as circunstâncias externas têm repercussões sobre o processo psicanalítico, o que vem sendo um tema de interesse e pesquisa. Atualmente somos treze analistas e vinte candidatos.

Historicamente fomos a primeira instituição psicanalítica do território nacional que se instalou fora de uma capital.